Shopping prepara Minecraft Tour no próximo feriado

 

minecraft

Favorito da garotada, o universo Minecraft invade às tarde do Parque D. Pedro Shopping de 26 a 28 de maio, durante o Minecraft Tour. Serão três dias de atividades, entre elas workshop, oficinas gratuitas para desenvolver as próprias modificações (MODds) no game eletrônico, que permite a criação de mundos virtuais através de  blocos e é um dos jogados no mundo atualmente.

O Minecraft Tour é uma iniciativa do Parque D. Pedro, em parceria com a Livraria Leitura e a escola de programação e robótica Happy Code. Ele acontece na Praça de Eventos da Alameda Parque D. Pedro das 14h às 20h e trará ainda os youtubers Pac e Mike, do canal TazerCraft, e Sérgio Miranda, autor do livro “Minecraft de A a Z.

Para aprender ou aperfeiçoar os MODs (modicações no game que permitem a criação de novos cenários e objetos, ampliando as possibilidade de jogadas), os interessados poderão se inscrever em uma das 11 oficinas de criação que serão ministradas por professores da Happy Code durante o Minecraft Tour.

A aula tem 45 minutos de duração e capacidade para 36 alunos, todos com notebooks à disposição. Cada participante criará seu próprio MOD, de forma dinâmica e divertida. A idade mínima é a partir de 6 anos e as inscrições devem ser feitas através do formulário eletrônico https://hccampinas.typeform.com/to/w6LeYuoc.

Os aficcionados pelo Minecraft poderão ainda participar da tarde de autógrafos dos youtubers Pac, de 20 anos, e Mike, de 18, na quinta-feira (26). Eles estarão autografando o livro “Herobrine: A Lenda”, recém-lançado pela dupla que tem 5,3 milhões de inscritos no YouTube. O livro (R$ 24,90, Geração Jovem) pode ser comprado na Leitura do Parque D. Pedro ou em outra unidade (neste caso é preciso apresentar o cupom de compra).

Na sexta-feira (27) é a vez de Sérgio Miranda autografar o livro “Minecraft de A a Z”, que também deve ser adquirido na Leitura do Parque D. Pedro Shopping (R$ 29,90 Panda Books). Miranda é jornalista e participa do canal Loop Infinito, no YouTube, e é colaborador no programa ‘Você é Curioso?’, da Rádio Bandeirantes.

 

Serviço
MineCraft Tour
Quando: De 26 a 28 de maio
Onde: Praça de Eventos da Alameda Parque D. Pedro
Informações: 4003-7740 – www.parquedpedro.com.br
Cadastro para oficinas: https://hccampinas.typeform.com/to/w6LeYu

Programação
Dia 26
15h – Lançamento e tarde de autógrafos com Pac e Mike, do canal TazerCraft. Serão 500 senhas distribuídas a partir de segunda-feira, dia 23/05.

Dia 27
14h às 20h – Oficinas gratuitas de 45 minutos da Happy Code
17h – Lançamento do livro ‘Minecraft de A a Z’ e bate-papo com o autor Sérgio Miranda
20h – Workshop sobre o universo Minecraft da Happy Code.

Dia 28
14h às 20h – Oficinas gratuitas de 45 minutos da Happy Code

#Artigo: Suas orelhas, suas regras

O sol nos queimava os neurônios, mesmo nos poucos metros de caminhada até o ar condicionado mais próximo. Ela, estava no meio, de mãos dadas comigo e com a vó Nês e parecia não se importar com aquele calor todo, logo ela que detesta sol, calor e afins.

Pulava, falava mais do que de costume, se é que isso é possível. Talvez fosse a ansiedade, talvez o nervoso que tanto negara, mas uma coisa era certa: estava decidida e nada do que eu dissesse iria mudar.
Expliquei um milhão de vezes que poderia doer, mas que ainda assim, era uma dor passageira e em todas as vezes ela me respondia: “Eu tenho coragem, sou forte!”
É verdade também que protelei este momento, mesmo quando ela me disse que estava pronta, eu é quem não estava, enrolei até quando pude, ou melhor, até ontem.

Chegamos até o ar condicionado, que alivio. Ela ainda no mesmo ritmo de minutos antes. A vó, mais calado do que de costume, aliás, minutos antes avisara: “se doer de um lado, continua firme que tem o outro”. Laura tentava se iludir: “talvez nem doa”.

Chegamos ao destino, mas ele ainda não estava selado. Era preciso passar pelo ritual de escolha. Ela fez, ainda com a mesma alegria da qual saímos de casa. Pegou em sua bolsa cor-de-rosa a carteira enfeitada de adesivos do frozen, foi até o balcão, pagou com o dinheiro que conquistou sendo neta. O colar com estampa da Ana (também do frozen), a sapatilha de borboletas e o vestido com desenho da Peppa denunciara sua inocente vaidade.

Há essa altura não tinha como voltar atrás, ela sentou no colo da vó Nês, teve os pequenos lóbulos sentenciados pelo marcador azul… e eu? Bem, eu tentava me entender com o celular, que em um momento tão único me deixou na mão. Enquanto isso, a enfermeira, aguardava o meu sinal e assim eu me tornara a responsável pelo “apito final”, mas antes, um último suspiro para o celular capturar o momento… Não deu!

Autorizei e no mesmo instante me arrependi. Tarde demais, estava feito, selou a vaidade com um símbolo de – quase- todas àquelas que nasceram meninas: sua orelha esquerda tinha agora um brinco. De florzinha, lindo, escolhido por ela, mas que de causou tanta dor.

Me olhou embargada, levou a mão na orelha… meu coração, há essa hora já estava parado e na garganta. Só consegui balbuciar: “pode chorar, filha”. E, como numa sintonia liberou seu grito de dor e junto com ele, a orelha direita, e agora, sem a minha autorização, recebia também um brinco de florzinha.

E como mágica, meu celular voltou a gravar e então, eternizei sua agonia, seu choro, sua dor… Tomou água, chorou, peguei-a no colo e numa tentativa (errada, talvez) de me eximir de culpa, lembrar-lhe que foi escolha sua.

Não tem como negar que foi sofrido, foi dolorido e que eu desejei sentir a dor por ela. A culpa me assombrou por longas horas até que ela parasse de reclamar. Encontrou as amigas do prédio e a dor “sumiu”, restava agora, só o orgulho; do brinco e da coragem que tivera.

Meu coração se acalmou. Porquê assim como em sua chegada ao mundo, quem escolhera o dia foi ela.

20151017073138 20151017073144

Aqui, só para os fortes, são os gritos dela.

Pilates: um exercício universal

DSC_0356

Há quem ache o pilates fácil, outros dirão que é bobo, que não queima calorias e que até prejudica a coluna vertebral. Mas, a realidade de quem frequenta os estúdios especializados no método é outra, garantem que os exercícios além de ótimos para a flexibilidade, postura, definição e consciência corporal ainda alivia o estresse.

Para Adriana, aluna da Ritmo Pilates há mais de um ano, não nada melhor. Já que ela não é adepta às outras modalidades de treinos, ela conta que encontrou no pilates o que precisava para se manter no peso e ainda se exercitar. “Eu amo o pilates, com o tempo você aprende a gostar mais, fica mais flexível, é maravilhoso.”

A professora e fisioterapeuta da Ritmo Pilates, Ana Gurita revela que a perda de peso não é o foco, mas que se ainda assim a pessoa tiver este objetivo, partem para outro método dentro da prática, chamada de Pilates Funcional, em que acrescenta treinos aeróbicos nas aulas.

Com inúmeros benefícios, o pilates pode ser praticado por, praticamente, todo mundo à partir dos 6 anos de idade. É indicado para gestantes e mães em período pós parto, também recomenda-se para tratamento de algumas lesões, como hérnias e escoliose.

A jornalista Patricia Lopes, começar a fazer aulas há pouco tempo e está encantada com a força e leveza dos exercícios. Ela que não praticava nenhuma atividade física antes, encontrou no pilates uma maneira gostosa de se descobrir e de conectar com seu corpo após se tornar mãe. “Depois da maternidade o corpo é outro, percebi que com o pilates, posso encontrar o meu ‘eu’, aprendi a importância de respirar corretamente e levo isso para além dos exercícios.”

A técnica se baseia, basicamente, em trabalhar com o centro da força (que é o abdômen) com o auxilio da respiração, e é nela que são pautados os exercícios. Por isso é importante respirar corretamente na hora de executá-los

Abaixo algumas fotos, para provar que mesmo os sedentários, como eu, podem – e devem – praticar pilates:

DSC_0346

Trabalhando, entre outras coisas, foco e respiração.

DSC_0350

Adriana, a “veterana” da turma

   DSC_0354 DSC_0359 DSC_0360 DSC_0369DSC_0365  DSC_0378 DSC_0381DSC_0372

Projeto visa estimular hábito de leituras para bebês ainda na barriga

Num tempo em que a internet toma cada vez mais espaço na vida das pessoas e a correria do cotidiano está intrínseca na vida da mulher-mãe-gestante, tornar-se leitor é raridade. E foi a partir disso que surgiu o Conexão Ventre, o projeto é uma tentativa de inserir precocemente os livros na vida das crianças. Além disso, é um momento para estreitar o vínculo entre outros familiares e aquele bebê que ainda está por vir.

Idealizado pela jornalista e mãe, Patricia Lopes o Conexão Ventre é união de duas paixões: livros e crianças. A jornalista explica que a ideia surgiu depois de sua experiência positiva: “Eu li bastante durante a gestação, em voz alta. E com certeza isso refletiu no que minha filha é hoje; uma entusiasta aos livros”.

O projeto Conexão Ventre busca, fundamentalmente, reunir grávidas para uma experiência de leitura, na qual, possam apreciar os livros como instrumento de valorização social. Em que a literatura se faz necessária para uma melhor compreensão de mundo, a pausa, a entonação e futuramente, as “lições” tiradas de cada história, auxiliam aquele bebê a lidar com diversos tipos de situações, além de ser um estímulo sensorial, acostumá-lo com a voz dos familiares.

Em parceria com a Livraria Saraiva do Shopping Iguatemi, o primeiro encontro, acontece no sábado, 4 de julho, às 15h, no Carlos Gomes, que está localizado dentro da livraria. Na ocasião, ocorrerá um bate papo com a ginecologista e obstetra Patrícia Varanda sobre a importância da interação com bebê intra-útero, logo após ocorrerá à leitura mediada em voz alta.

Destinado para casais grávidos a partir do 4º mês de gestação. As inscrições devem ser feitas previamente por email. O projeto conta com o apoio da Instinto Fotografia de Parto e Gestante e da Nação Palmares Comunicação.

Sobre Patricia Lopes

Formada em Jornalismo pela Puc Campinas, a jornalista se tornou mãe durante a graduação, hoje, sua filha, com 3 anos é uma pequena leitora e possui mais de 70 livros em sua pequena biblioteca particular.
Patricia Lopes fez curso de extensão em Jornalismo Literário e escreveu um livro para seu projeto experimental da faculdade. É autora do blog Jornal de Mãe, na qual, entre outras coisas, indica livros infantis e dicas de como iniciar a leitura. Além disso, tem curso sobre a pedagogia Freinet e pratica leitura mediada com sua filha todos os dias desde a gestação.

Serviço:
Evento Conexão Ventre
Data: 04 de Julho de 2015
Horário: 15h
Local: Saraiva do Shopping Iguatemi Campinas
Entrada: Gratuita
Inscrições: conexaoventre@gmail.com
Informações para a imprensa: Patricia Lopes (19) 9-8196-1324

 

flyer-ventre-2

Estou amamentando corretamente?

Muitas são as dúvidas que rondam quando o assunto é amamentação.

Pensando em ajudar, principalmente, as novas mães, que este post foi criado. Vamos lá:

amamentação_jornaldemae
Antes e depois das mamadas: Passe o próprio leite ao redor das auréolas, desta forma, evita fissuras.

Observe a pega: Ou seja, o bebê tem que mamar com os lábios virados para fora (como um peixinho), pegar toda ou boa parte da auréola, encostar o queixo na mama.

Esquecer o relógio: Livre demanda é essencial na vida de um recém nascido. Não existe um cronograma de amamentação (amamentar a cada 3 horas e por 20 minutos, por ex.). Cada bebê é único, e por isso, deve ser atendido com essa singularidade.

Tempo das mamadas ou quando trocar de peito: Deixe o bebê mamar “todo” o seio de um lado. Quando sentir que o seio esvaziou, troque de lado. Isso porque, o leite humano tem duas fases: leite anterior, do inicio da mamada; leite mais aguado, ralo, que mata a sede do bebê. E leite posterior, ou do final da mamada, é o leite rico em gordura, que sacia a fome e engorda o bebê.

Esqueça bicos artificiais: eles atrapalham o sucesso da amamentação, se por ventura, for necessário dar o leite sem ser no seio, prefira copos de transição ou colheres.

Acredite em você: Seu instinto é mais sábio que qualquer coisa, se ouvir seu bebê chorar e achar que deve colocar no seio: coloque!

Amamentação não é só fome: Durante os 3 primeiros meses do bebê, ele está se adaptando a vida extra útero, por isso, muitas vezes, vai pedir peito sem ter fome, porque a única referência de mundo desse bebê é o cheirinho da mãe.

 

5 dicas para começar a ler para as crianças

Eu costumo dizer aqui que ler para criança é maravilhoso, que traz inúmeros benefícios para o pequeno “leitor”. Talvez, se você ainda não tem o hábito da leitura em sua casa, pergunte como começar a ler para seus filhos, sobrinhos, netos… É por isso, deixarei algumas dicas aqui:

 

1. Deixe livros em lugares visíveis: Livro é como brinquedo, por isso é legal que eles sejam tratados da mesma forma, se não tiver uma prateleira só para eles, pode-se usar cestas, caixas (e se essa for sua opção, pode usar uma caixa de papelão comum e com a ajuda da criança customizar), pendurar em “sacos” de tecido. Na internet é possível encontrar muitos ideias.

Foto: soumae.org

Foto: Carinhoemcadapasso.com.br

2. Leia um pouco por dia: O que se recomenda é que esse “pouco” seja de pelo menos, 20 minutos. Com os livros à vista é mais fácil este item, se depois de olhar para os livros seu filho não tiver o interesse de “ler” nenhum deles, a iniciativa pode partir de você. Chame a criança, mostre os livros disponíveis, capas, leia títulos, aponte curiosidades daquela obra ou pode ser alguma história relacionada com um fato recente, por exemplo: Caos, é um livro que fala de ação e reação.

3. Reserva uma hora para a leitura: Que não necessariamente precisa ser uma hora, literalmente, como disse no item 2, o mínimo são de 20 minutos. Agora você já tem livros à mostra e se disponibilizou a ler um pouco por dia, então o próximo passo é associar aquela hora à hora da história, pode ser depois da refeição, antes de dormir, por exemplo.

4. Leia sem interferências: Se você reservou uma hora para a leitura, então que faça apenas isso neste momento. Sem TV Ligada, pessoas falando sobre outras coisas.

5. Cantinho da leitura: Você pode achar que estou complicando demais, mas todos estes itens são simples e podem ser adaptados sem gastar um real. O cantinho da leitura nada mais é do que aquele lugar preferido, aconchegante e sem interferências, pode ser o seu quarto, o quarto da criança, a sala (respeitando o item 4).

 

Dica bônus: Leve livros para todos os lugares, inclusive festas infantis.

 

DSC_0104

Festa de 2 anos da Laura, com o tema “Livros”

 

 

DSC_0096

Laura e amigos aproveitando o “Cantinho da Leitura” na durante a festa

Dicas para o desmame conduzido de maneira gentil

Laura no dia do seu primeiro aniversário

Laura no dia do seu primeiro aniversário

Tenho observado que algumas mães estão desmamando seus bebês, os motivos são diversos. Apesar de ainda não ter desmamado, algumas mães me procuram para saber o que fazer. Como já disse aqui, eu sou adepta da literatura, para qualquer coisa na vida, sobretudo na maternidade, que é a fase da vida em que mais queremos fazer as coisas certas e estamos sempre em busca do utópico sonho da maternidade perfeita.

Eu sigo, ou tento, seguir a linha mais naturalista possível no que se trata de criação de filho. Sempre fui uma mãe sem neuras, a favor de deixar a criança se descobrir nesse mundão de meus Deus. No desmame não seria diferente, estou há quase 3 anos amamentando e sigo firme, por enquanto não tenho o melhor plano de desmamar, a não ser que essa decisão parta da Laura.

Muito embora eu saiba que a realidade da maioria das mães é diferente da minha, como já disse acima, os motivos para querer desmamar são os mais variados. Eu acredito na força da mulher, e por isso vejo a amamentação como uma bênção e o fim desse processo deve ser o mais natural e menos doloroso possível (sim, sempre vai haver dor de algum lado, eu por exemplo, não me imaginando deixando de amamentar) desta forma, recorri à literatura, mais uma vez, para uma tentativa de ajudar essas mães que precisam passar por esse processo.

Abaixo você vai conferir os “passos” para um desmame de maneira Gentil, esses dados foram copilados por Luciana de Jesus Freire, para a faculdade de Nutrição na Universidade São Judas Tadeu – USJT. Você vai notar que são repetitivas, mas são uma maneira de mostrar que não há outro jeito de desmamar gentilmente.

⇒ Jornal de Mãe apoia a amamentação exclusiva (até 6m) e prolongada. Completamente contra qualquer tipo de desmame abrupto. As orientações contidas nesses textos são para mães de bebês maiores de um ano.

 ♦ Dicas do livro “Gentle Baby Care”, de Elizabeth Pantley

 Primeira e importante questão: PORQUE desmamar?

Pergunte-se a razão da sua decisão. Não há uma época definida para o desmame, pois esse processo é muito diferente para cada mamãe e bebê.                                                                                                                                                                                                                                            NÃO há uma razão padrão para a decisão do desmame. As razões são tão variadas quanto as próprias mães e crianças amamentadas. Cada filho seu vai precisar de uma decisão separada sobre o desmame.

 1) Devagar é melhor: se você permitir que o processo ocorra gradualmente (em um período de alguns meses), seu bebê e seu corpo irão se ajustando fazendo o processo mais fácil para ambos.

 2) O primeiro passo para o desmame: tente o método: “não ofereça, não recuse”.                                                                                                 

Isso funciona como um “teste” de quão fácil ou difícil o desmame será. Continue amamentando quando seu bebê pedir, mas não ofereça o tempo todo, automaticamente como algumas mães  acostumam a fazer.

O que pode ser surpreendente é descobrir que algumas crianças estão tão prontas quanto as mães para começar o processo de desmame. Nesse caso, elas estarão abertas a uma rotina que não inclua amamentação.

 3) distração funciona! Bebês são ativos, ocupados sempre, tire proveito dessa característica e tente distraí-lo com alguma coisa na hora que ele pede para mamar. Por exemplo, se seu filho geralmente mama quando acorda, você pode chegar com um brinquedo legal ou abrir as janelas e convide-o para ver os passarinhos lá fora. Nas primeiras vezes que você fizer isso seu bebê pode ficar confuso e reclamar um pouco, mas persista um pouco com a distração. Tente mais algumas vezes, mas se o bebê reclamar, chorar muito, amamente.

Continue tentando de novo mais pra frente, um belo dia seu bebê vai te surpreender e pedirá pra abrir a janela para ver os passarinhos. Na hora de dormir, uma dica: se você sempre dá de mamar após contar uma estória/história, prolongue-a de modo que ele durma antes do fim.

 4) Em um minutinho: a tática do “atraso”.                                                                                                                                                                               “Você pode mamar depois que eu terminar de dobrar as roupas”, aí quando você olhar ele vai estar ocupado com outras coisas. Ofereça o peito após terminar com as roupas, se seu bebe ainda quiser.

Isso reforça a confiança e mostra ao seu bebê que você não esta ignorando suas necessidades. Você pode até tentar mais atraso: “Vamos esperar a hora da soneca”. Isso pode ser um modo efetivo de reduzir o número de sessões de amamentação diária.

 5) Substitua leite materno por comidas sólidas: Outra técnica que pode ajudar é substituir a mamada por mais comidas (se seu bebê já come e gosta de comidas sólidas, mais de 1 ano de idade). Se isso já acontece você pode tentar substituir outras formas de conforto e atenção das mamadas por coisas como ler livros, abraços, brincar juntos.

 6) Evite seus cantinhos de mamar: a maioria das mães tem um ou dois lugares favoritos para mamar, uma poltrona por exemplo. Se você quiser encorajar o desmame evitar esses lugares que podem despertar no seu bebê o desejo de mamar. Encontre outros lugares e combine essa dica com a técnica de distração (dica número 3).

 7) Encurte as sessões de mamar: outro passo em direção ao desmame é encurtar o tempo que você geralmente amamenta seu filho, e tente incluir uma distração no final da sessão.

 8) Substitua mamar por brincar: Algumas mães (às vezes mesmo sem perceber) usam a hora de amamentar como uma maneira de ter um tempo quieto e relaxante com seus bebês. Faça uma decisão consciente de substituir essa sessão de mamar por uma sessão de brincadeiras, em que você dá atenção completa o tempo todo. Seu bebê pode ficar tão contente com isso que poderá até esquecer de pedir para mamar.

10) A dança do desmame: Não se surpreenda se seu bebê “captar” seu desejo de desmamar e de repente pedir para mamar como um recém-nascido! Essa é uma resposta natural a uma grande mudança na vidinha deles. Se você atender os desejos e der de mamar por 1-2 dias, isso geralmente passa, e você pode seguir em frente na direção do desmame de novo.

Geralmente o progresso de amamentar o tempo todo – não, amamentar NÃO é uma linha reta, é mais como uma dança. Mas se você guiar essa dança com afeto e sensibilidade, você acabará dançando no ritmo que escolheu.


♦ Como fazer para desmamar meu filho?

por Elsa Giuliani, pediatra e especialista em aleitamento materno

Encorajando o bebê a desmamar:

Facilitadores

  •  Mãe segura de que quer (ou deve) desmamar
  • Entendimento da mãe de que o processo pode ser lento e demandar energia, tanto maior quanto menos pronta estiver a criança
  •  Flexibilidade, pois o curso é imprevisível
  • Paciência (dar tempo à criança) e compreensão
  • Suporte e atenção adicionais à criança – mãe não deve se afastar neste período
  • Ausência de outras mudanças ocorrendo: Ex.: controle dos esficteres
  • Sempre que possível, desmame gradual, retirando uma mamada do dia a cada 1-2 semanas.

 A técnica utilizada para fazer a criança desmamar varia de acordo com a idade da mesma. Se a criança for maior, o desmame pode ser planejado com ela. Pode-se propor uma data, oferecer uma recompensa e até mesmo uma festa. A mãe pode começar não oferecendo o seio, mas também não recusando. Pode também encurtar as mamadas e adiá-las. Mamadas podem ser suprimidas distraindo a criança com brincadeiras, chamando amiguinhos, entretendo a criança com algo que lhe prenda a atenção. A participação do pai no processo, sempre que possível, é importante. A mãe pode também evitar certas atitudes que estimulam a criança a mamar, por exemplo, não sentar na poltrona em que costuma amamentar.

Algumas vezes, o desmame forçado gera tanta ansiedade na mãe e no bebê, que é preferível adiar um pouco mais o processo, se possível. A mãe pode, também, optar por restringir as mamadas a certos horários e locais.

 As mulheres devem estar preparadas para as mudanças físicas e emocionais que o desmame pode desencadear, tais como: mudança de tamanho das mamas, mudança de peso e sentimentos diversos tais como alívio, paz, tristeza, depressão, culpa e arrependimento.


♦ Dicas para ajudar a mãe que deseja o desmame total –  La Leche League International

  1.  Não recuse dar o peito, mas também não o ofereça. Esta técnica permite uma redução gradual no número de mamadas, sem forçar e sem magoar ambos. Pode não ser suficiente, e aí você tem que adotar novos passos.
  2.  Entre em um acordo com o seu filho sobre onde e quando pode amamentá-lo. Por exemplo: limite as mamadas a lugares privados de sua casa ou na casa de amigos.
  3.  Procure diminuir a duração de cada mamada. Depois de uma mamada curta, dê a seu filho um brinquedo interessante ou sugira alguma atividade que ele particularmente goste.
  4. Distraia seu filho antes do momento acostumado de mamadas pouco importantes. Isto traz inovação e requer ajuda do pai ou de algum outro familiar. Os pais podem apresentar distrações muito interessantes. As mamadas mais importantes, como a de antes de dormir, são as últimas a serem deixadas.
  5. Comece a evitar os lugares favoritos do bebê, tradicionais de amamentação.
  6. Reforce e premie (sem fazer chantagem) cada não mamada. Um alimento favorito, um passeio na praça, uns abraços extras ou agradecer-lhe todo o seu carinho, reforça a amamentação e acelera o processo de desmame total.
  7. Diga claramente a ele que você não quer dar mais o peito, que ele já é um menino crescido, quase um homenzinho e não fica bem mamar no peito, porque isto é coisa de bebês. Esclareça que você continuará amando-o muito e dando atenção e carinho a ele – eles entendem bem. Pergunte a ele, o que ele acha disso.

O desmame deve ser um processo de pelo menos duas fases:

 1)acostumar o bebê a tomar leite materno ou em pó de outra maneira que não o peito;

 2)Eliminar GRADUALMENTE as mamadas.

A abstinência total não é o melhor caminho para desmamar o bebê nem para a mãe.

a) para o bebê é traumático, física e emocionalmente;

b) para a mãe, o desmame súbito tem probabilidade maior de causar vazamento de leite, além da regurgitação, obstrução dos canais e infecções mamárias.

ADIE todo o processo ao atravessar épocas de mudanças grandes ou pequenas na vida do bebê.


♥ Dica Bônus:

 O bebê recebe cerca de 30 ml de leite em copo/mamadeira (de preferência, não usar mamadeira) antes de mamar e depois é impedido de ficar por muito tempo no peito. Aos poucos, ao longo de várias semanas, a quantidade de leite dado no copo vai aumentando e o tempo no peito vai diminuindo.

O modo mais comum é eliminar as mamadas é uma a uma, esperando alguns dias, mas de preferência uma semana, entre uma e outra.

  1.  tente eliminar primeiro a mamada que receber outro alimento em troca, ou aquela que o bebê demonstra menos interesse, ou ainda aquela que mais causa embaraço ao dia-a-dia da mãe.
  2.  as mamadas da manhã e da noite devem ser as últimas a serem eliminadas.